Sintero tem apoio de Luizinho Goebel na luta contra a militarização das escolas

Secretaria de Imprensa, 08/12/2016 19h44

 Imprimir    Comentar
 (Foto: Reunião discute o combate à militarização) Ampliar imagem:  (Foto: Reunião discute o combate à militarização)
Foto: Reunião discute o combate à militarização

A direção do Sintero está mobilizando trabalhadores em educação, gestores e autoridades para uma luta contra a militarização das escolas em Rondônia.

Nesta semana a direção do Sintero realizou várias reuniões e já conta com o apoio, entre outras autoridades, do deputado estadual Luizinho Goebel, para barrar na Assembleia Legislativa qualquer projeto de lei nesse sentido.

Os diretores do Sintero e os trabalhadores em educação deixam claro que não há nada contra a Polícia Militar. Porém, defende que cada categoria atue dentro da sua área.

Na sexta-feira, dia 09/12, a iniciativa foi discutida em uma reunião na Escola Estadual Zilda da Frota Uchoa, em Vilhena, com a presença do Coronel Bonfim, alguns vereadores eleitos, representantes da secretaria executiva e o diretor Regional do Sintero, João Assis. Na reunião os trabalhadores em educação se manifestaram contra a militarização da escola.

Todos critivaram fortemente a iniciativa do deputado estadual e ex-policial militar Jesuíno Boabaldi que vem tentando convencer a Seduc a adotar a militarização.

O deputado Jesuíno em seu projeto citou as escolas estaduais Dr. Oswaldo Piana, Capitão Cláudio Manoel da Costa e Flora Calheiros, em Porto Velho, onde pretende implantar a militarização.

O parlamentar disse que, além de questões que envolvem a violência entre alunos, a militarização abrange valores de hierarquia, disciplina, baixo desempenho nos estudos e frequência.

Por causa disso o deputado já vem sendo bastante criticado pelos trabalhadores em educação.

Para se contrapor a essa situação, o Sintero buscou o apoio dos demais deputados estaduais. O deputado Luizinho Goebel apoia o combate à militarização e em reunião com a direção do Sintero, se comprometeu a conversar com outros parlamentares para sepultar a ideia de militarização.

O presidente do Sintero, Manoel Rodrigues da Silva, disse que a Polícia Militar tem a sua função e já tem bastante trabalho, no combate à criminalidade.

“Temos imenso respeito e admiração pela Polícia Militar, mas entendemos que a corporação foi criada com a finalidade de atuar na segurança pública, e não na gestão das escolas”, disse o presidente do Sintero, Manoel Rodrigues da Silva.

A mobilização do Sintero é para que seja restabelecida a gestão democrática, com a aprovação do projeto de lei cuja redação foi discutida com os representantes da categoria.

Para a direção do sindicato, não faz sentido um modismo que vem sendo ventilado no Estado, de que a gestão das escolas, para ser eficiente, precisa ter à frente um militar.

Os trabalhadores em educação também não concordam que sejam implantadas nas escolas as regras estabelecidas nos quartéis, como um padrão de corte de cabelo feito à máquina 2, padrão de cor de guarda-chuva, proibição de corte de cabelo para as alunas, a obrigatoriedade de que os estudantes façam continência, entre outras.

Para a direção do Sintero, tratar os alunos como soldados e determinar a cor do esmalte na unha das alunas não vai reduzir a violência nem melhorar os índices escolares.

Ao tratar do assunto nesta semana, os trabalhadores em educação criticaram severamente as iniciativas que visam à militarização das escolas "transformando estudantes em meros tijolos de parede”.

Para a direção do Sintero, a escola é espaço de aprendizagem, de formação de cidadania, de construção de valores e atitudes. Para que cumpra essa função a escola não precisa ser militarizada. Basta que recebam os mesmos recursos destinados às escolas militares. Tanto recursos financeiros quanto de pessoal.

O combate à militarização das escolas será inserido em todas as lutas do Sintero, que envolverá os trabalhadores em educação de todo o Estado e a comunidade.

A começar pela aprovação da nova lei da gestão democrática, que prevê a escolha dos gestores entre os servidores de carreira através de consulta à comunidade escolar. A direção do Sintero alerta e orienta aos trabalhadores em educação de todo o estado para que não aceitem e denunciem qualquer tentativa de militarização das escolas.
 

Sintero tem apoio de Luizinho Goebel na luta contra a militarização das escolas

 

Sintero tem apoio de Luizinho Goebel na luta contra a militarização das escolas

 

Sintero tem apoio de Luizinho Goebel na luta contra a militarização das escolas

 

comentários desta notícia

De: sergio murilo às 09/12/2016 09h09
"Isso é uma palhaçada, o fato que é ECA, é uma porcaria, não pune ninguém, qualquer coisa é promotoria, pais defendendo suas "crianças inocentes"!!!, professores de mãos atadas, administrativos sem moral, direção pressionada, e ainda chega o governo e diz que não pode reprovar ninguém, ai o aluno aproveita para deitar e rolar nos corpos inertes e sem autoridade dos servidores educacionais.

De: edson santos às 09/12/2016 09h49
"Não só a militarização, mais também fechando escola,como é o caso da Escola Samaritana que fechará suas portas a comunidade dia 30 de dezembro. Mais uma de vária imcompetencia da SEDUC e GOVERNO.

De: Elizeu Candioto às 09/12/2016 14h17
"Não é verdade "de que a gestão das escolas, para ser eficiente, precisa ter à frente um militar", não creio que seja assim até porque os mesmos não tem formação pedagógica e de gestão nenhuma , mas que as regras militares precisam ser implantadas é necessário , já passou da hora. Nossos alunos estão soltos, nada se pode contra eles , eles podem tudo contra todos Não se pode nada contra eles ...

De: serjio de Resende às 12/12/2016 12h08
"Todas as ações do Governo e Seduc, são para desmoralizar cada vez mais os professores. Tudo de negativo, as consequências recai sobre o professor, onde está todo dia com o aluno. Chegamos a um ponto estarrecedor, onde não sabemos mais o que fazer. Eu como professor de matemática a anos estou me sentindo inútil. Ultimamente só recebo notícias ruins, não existe nada de incentivo(Veja as Reformas).

Comente você também essa notícia

 

*O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do usuário que forneceu e não exprime opinião do sindicato.

 

 
Enviar comentário

(A quantidade máxima é de 400 caracteres para seu comentário) Restam 400 caracteres

Ao enviar seu comentário você aceita o termo de conduta dos comentários.

Rua Rui Barbosa n. 713, bairro, Arigolandia – Porto Velho-RO, CEP: 76801-010
Fones:( 69) - 3217-3350/ 3217-3348/3353 – Fax: 3224-7798/3217-3351.
Fundado em 25 e 26 fevereiro de 1989 – CNPJ n. 34.476.176/0001-36 -476.176/0001-36.
Regionais: Apidiá; Café; Centro I; Centro II; Cone Sul; Da Mata; Estanho; Guaporé; Mamoré; Norte; Rio Machado;
   © 2017 Todos os direitos estão reservados | Sintero tem apoio de Luizinho Goebel na luta contra a militarização das escolas - SINTERO - Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia |