Voltar 04 de Julho de 2018

A farsa da reforma do ensino médio começa a ser desmontada com divergências no Conselho Nacional de Educação


O ex-presidente da Comissão Bicameral do Conselho Nacional de Educação, César Callegari, pediu exoneração do cargo por discordar da farsa criada pelo governo federal para impor a reforma do ensino médio com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Os problemas da reforma do ensino médio, a “maquiagem” criada pelo governo no ensino público e as consequências para o aprendizado foram discutidos em seminários realizados pelo Sintero em todas as Regionais no período de 19 a 29 de junho, que tiveram como convidados professores do Ensino Médio, supervisores escolares, orientadores, representantes dos estudantes do Ensino Médio, representantes dos pais e os conselhos escolares.

As palestras foram proferidas pelo professor Gilmar Soares Ferreira, Secretário de Assuntos Educacionais da CNTE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação.

Em carta divulgada na semana passada, César Callegari explica as razões pelas quais deixou a presidência da Comissão. Segundo ele, a nova BNCC trata o ensino público como mercadoria, prioriza as disciplinas de língua portuguesa e matemática sem dar importância ao conteúdo das demais disciplinas, abre o ensino médio para que seja oferecido à distância podendo substituir professores por pacotes de EAD e dispensando laboratórios e bibliotecas, além de permitir que recursos públicos da escola pública passem a ser compartilhados por instituições privadas, ou a possibilidade de que profissionais práticos com “notório saber” e não licenciados possam ministrar aulas na educação básica.

Tudo isso, conforme vem denunciando o Sintero, a CNTE, para criar uma falsa imagem de melhoria dos índices no ensino público.

Segundo o professor Callegari, o governo federal diz que o “novo ensino médio” já teria sido aprovado pela maioria dos jovens, o que não é verdade, pois nenhuma mudança chegou às escolas e talvez para a maioria elas nunca cheguem. “O governo alardeia a oferta de um leque de opções para serem escolhidas pelos estudantes, mas na sua BNCC não indica absolutamente nada sobre o que esses “itinerários formativos” devem assegurar”, destaca.

A presidente do Sintero, Lionilda Simão, considera grave a imposição, por parte do governo federal, de um modelo fadado ao fracasso, desperdiçando, assim, uma oportunidade de propor uma reforma que realmente venha a contribuir com a melhoria da qualidade do ensino.

“Cada vez mais o governo vem adotando medidas para mascarar os problemas da educação pública. Hoje em dia o aluno que não aprendeu o conteúdo, não consegue fazer uma prova, alguns que não conseguem sequer ler e escrever corretamente, não podem ser reprovados. Isso para gerar um alto índice de aprovação, uma falsa ideia de qualidade do ensino. Para nós, profissionais da educação, isso é um retrocesso e precisa ser denunciado e combatido. Lutamos por melhorias na qualidade do ensino, e não pela falsa imagem criada pelo governo”, disse.

LEIA AQUI A ÍNTEGRA DA CARTA DO PROFESSOR CÉSAR CALLEGARI


1 Comentários

  • sebastiao bento da silva
    04 de Julho de 2018

    Desse Governo Federal, devemos esperar tudo! Um Governo que traiu os ladãos que ele ajudou a roubar,e, ainda paga, os ladãos que estão no congresso para não cair do poder, não se pode esperar desse cavalheiro negro que estar no poder.

Deixe um Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

CNTE
Educação Pública EU APOIO
CUT
FNDE