Voltar 30 de Dezembro de 2020

Secretário Swamy afronta princípios da gestão democrática nas escolas e não reconhece conquistas da luta dos trabalhadores em educação

Escolha de diretores e vice-diretores de escolas é um dos princípios da gestão democrática

O secretário de Estado da Educação de Rondônia, Swamy Vivecananda Lacerda de Abreu perde mais uma importante oportunidade de contribuir com a melhoria da qualidade do ensino ao afrontar publicamente a gestão democrática nas escolas e ao tentar minimizar as conquistas alcançadas pelos profissionais da educação através da luta, que às vezes culmina com greve.

Para a Diretoria do Sintero, as declarações do secretário, além de dispensáveis, apenas contribuem para a desmoralização da atual gestão da Seduc, que já conta com diversas trapalhadas e contradições, como os episódios da censura a livros clássicos da literatura e da tabela salarial dos professores, além da falta de transparência na gestão.

Ao proferir declarações inoportunas e inadequadas, o secretário de Estado da Educação ignora, por exemplo, que a gestão democrática possui entre seus princípios a escolha de diretores e vice-diretores de escolas pelos profissionais da educação e pela comunidade escolar, observando critérios como formação, conhecimento e tempo de atuação. Associar a gestão democrática a baixos índices no Ideb ou de aprovação no Enem é tentar ocultar a própria incompetência para gerir a pasta da educação estadual.

O secretário também perdeu oportunidade de falar a verdade quando diz que o Sintero liderou uma greve de 45 dias em 2018 sem resultados para o ensino público e sem benefícios para os trabalhadores. Swamy Vivecananda não disse, no entanto, que a garantia do piso do magistério na carreira dos professores e um valor como base para o salário dos Técnicos Educacionais foram conquistas dos profissionais da educação como resultado da greve. Também se esqueceu de mencionar que essas conquistas, ainda que não representem a valorização merecida pelos trabalhadores, têm reflexo nas demais verbas salariais, como as gratificações.

Durante a pandemia, situação que ainda permanece, os professores fizeram a diferença sem nenhum apoio ou incentivo da Seduc, adaptando a sua atuação tendo que planejar, produzir e oferecer aulas pela internet e atender à comunidade escolar à distância.

O secretário se esforça, sem sucesso, para apresentar inexistentes avanços na educação, mas perdeu a oportunidade de construir uma educação inclusiva no Estado de Rondônia, jogando toda a responsabilidade para os professores.

O ano de 2020 termina sem uma resposta da Seduc aos expedientes do Sintero acerca da destinação das sobras do Fundeb, que em outros Estados e em muitos municípios são revertidas para a melhoria salarial dos profissionais da educação no final do ano, já que as verbas expiram e não podem ser remanejadas para o ano seguinte. O secretário Swamy se nega, inclusive, a divulgar o montante do Fundeb em Rondônia e os valores gastos, bem como sua destinação.

A luta do Sintero na defesa dos trabalhadores em educação é histórica e merece respeito. No entendimento da Diretoria do Sintero, o gestor que desconhece essa luta e as conquistas não merece ocupar o cargo de secretário de Estado da Educação.

A presidente do Sintero, Lionilda Simão, ao demonstrar indignação com as declarações do secretário, disse que a luta dos trabalhadores não vai parar. “Reafirmamos e mantemos o compromisso firmado com a categoria de lutar contra a desvalorização e o menosprezo à educação implantada pela atual gestão da Seduc. Não são declarações desprovidas de conhecimento que vão nos desanimar”, disse Lionilda Simão.


3 Comentários

  • Nahun bignati
    01 de Janeiro de 2021

    É isso aí vamos partir pra cima temos que mostrar que educação se faz com responsabilidade e compromisso valeu sintero é nois em 2021 na luta por melhores condições de trabalho e salário.

  • Ozias Porto Pereira
    30 de Dezembro de 2020

    Gestão nesse governo nunca existiu, me inscrevi p o cargo de diretor em uma escola do Cone Sul e era para ser analisado os currículos, mas analizaram foi as postagens no Facebook que os candidatos postavam. Se fosse as postagens criticando o Bozo, já estava excluído automáticamente de concorrer ao cargo.

  • Angela Cutolo
    30 de Dezembro de 2020

    Nós que lutamos por uma Educação de verdade com dedicação fazendo a diferença nas escolas e agora em home office não somos reconhecidos nem tão pouco valorizados, essa gestão como muitas outras só nos deram menosprezo e trabalho, mas a luta continua!

Deixe um Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

CNTE
Educação Pública EU APOIO
CUT
FNDE